Quero falar de amor | a beleza de perder o controle

Postado em 13 mai, 2015 - Blog, Quero falar de amor

Na semana passada eu não consegui publicar aqui a edição do “quero falar de amor”, não tive tempo, foi corrido, enfim, escapou das minhas mãos o controle da administração de algumas coisas. A verdade, é que esses últimos dias, foram estranhos e ao mesmo tempo, de alguns aprendizados. É muito duro quando você, de alguma forma, é levado a perder o controle, e quando eu digo controle, me refiro a tudo! Sempre me foi dito a minha vida toda e eu sempre observei na Bíblia que é Deus quem dirige nossos passos, que nenhuma folha cai da árvore sem que Ele permita. A questão é que saber de isso, muita gente se gaba, mas confiar e viver é outra história bem diferente, que talvez eu e você precisamos aprender. A grande verdade é que nós gostamos de ter controle sobre todas as “nossas coisas”, sobre nosso trabalho, finanças, saúde… E aí, quando Deus quer te ensinar que é para Ele, d’Ele e principalmente por Ele todas as coisas, o cenário muda e é preciso aprender de uma vez por todas que você e eu não temos controle de absolutamente nada, nem das nossas vidas, nem da vida dos que estão ao nosso redor. Essas semanas, fui levada aprender a me assegurar que viver uma vida sem provações é viver uma vida enfadada, e logo, destinada ao fracasso, como disse Paulo aos Romanos, devemos nos gloriar nas tribulações porque produz perseverança, a perseverança um caráter aprovado e este, produz enfim a esperança.

Hoje eu consegui vir aqui e dividir com você os sentimentos que rondavam minha mente nas últimas duas semanas. Estou me recuperando de uma cirurgia, preciso de repouso, não posso fazer muitos esforços, então minhas atividades destes dias tem sido leves. Tem sido incrível passar dias a ler um bom livro, admirar minhas plantinhas, ganhar café na cama, saborear das comidinhas do marido, ser mimada, e colorir! Quando damos um tempo a nós mesmos, ou quando somos levados a perder o controle, descobrimos coisas que nunca imaginaríamos gostar ou ter aptidão, descobrimos também o silêncio e enfim conseguimos ouvir o quão barulhentos somos por dentro, é dessa forma que encontramos nossa vil essência necessitada de redenção.

Eu espero te ver aqui na próxima quarta!









Deixe seu comentário.